Notícias


EDUCAÇÃO

29/06/2020 às 21:15:00

Apeoesp diz que especialistas embasam posições da entidade sobre volta às aulas presenciais


  

Diante do anúncio feito na  última quarta-feira, 24 de junho, pelo governador João Doria (PSDB) de que o Estado pretende executar um plano de paulatina volta às aulas na educação básica a partir de 8 de setembro, a Apeoesp (Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo) tem tomado o cuidado de ouvir especialistas, como epidemiologistas, sanitaristas e arquitetos para embasar seu posicionamento, tendo inclusive constituído no âmbito da Diretoria uma Comissão para tratar dessa questão.

De acordo com a presidenta da Apeoesp, a deputada estadual professora Bebel (PT), os  especialistas ouvidos nesta comissão e também em debates que a entidade vem realizando afirmam que a suspensão das aulas presenciais nas escolas brasileiras contribuiu decisivamente para que não tivéssemos um quadro ainda mais grave na pandemia.

Com base neste posicionamento, a professora Bebel reafirma que as escolas, portanto, devem ser as últimas a retornar às atividades presenciais e, ainda assim, somente quando houver a drástica redução da pandemia e a garantia de segurança sanitária para professores, estudantes, funcionários e suas famílias. “Consideramos que este anúncio é prematuro e precipitado, sem base científica, e poderá causar um recrudescimento do contágio por coronavírus no Estado de São Paulo, que já é o epicentro da epidemia no Brasil”, diz.

De acordo com Bebel, a Apeoesp aprofundará estudos e realizará consultas a entidades de saúde pública e organizações representativas da epidemiologia, pediatria e de arquitetura. “Acreditamos que a Secretaria Estadual da Educação deve proceder da mesma forma, para evitar a tomada de decisões que poderão trazer graves consequências. Frente a qualquer situação que não leve em conta a crise sanitária e coloque em risco a vida de professores, alunos e a sociedade como um todo, a Apeoesp debaterá a greve com a categoria”, diz.

Para a presidenta da Apeoesp, hoje não existem as menores condições para esse retorno e não há perspectivas de melhora nos próximos meses. “Além da gravidade e extensão da pandemia, nossas escolas não estão preparadas nem aparelhadas para isto. A precariedade é generalizada. A questão arquitetônica das escolas é fundamental na prevenção e combate ao contágio e assim é considerada no mundo todo para a retomada das atividades presenciais. Ocorre que as condições estruturais das escolas da rede estaduais de ensino são gravemente deficientes”, ressalta.

A professora Bebel enfatiza que a prevenção ao contágio do coronavírus exige ambientes ventilados e a luminosidade é essencial ao processo ensino-aprendizagem. No entanto,, grande parte das salas de aula em nossas escolas não apresentam condições mínimas de uso, sobretudo quando se trata de retomada de atividades presenciais no contexto de uma grave pandemia como a que vivemos. “Por isso,  as subsedes da Apeoesp estão realizando um levantamento detalhado das condições das escolas e das salas de aula. No contexto atual, sem perspectivas de um rápido controle da pandemia, reafirmamos que deve ser mantida a utilização das tecnologias de informação e comunicação até dezembro, tal qual está ocorrendo nas universidades.

Para tanto deve ser construído um protocolo resultado de amplo debate entre a Secretaria Estadual de Educação, a Apeoesp e demais entidades. Ressaltamos que, em que pesem todas as nossas divergências com o Governo Bolsonaro, o próprio MEC definiu pelo prolongamento do uso dessas tecnologias até dezembro. (Portaria MEC nº 544,de 16 de julho de 2020)”, conclui. 

COMENTÁRIOS (Os comentários são de responsabilidade do autor, e não correspondem à opinião do SBNotícias).