TRANSPORTE

Nova Odessa notifica empresa por greve de ônibus

11/01/2017 - 20h32

 

Compartilhar via E-mail


Serviço está paralisado desde terça-feira


A Prefeitura de Nova Odessa notificou na manhã de quarta-feira, dia 11, a empresa Rápido Sumaré por conta da paralisação do transporte urbano. Os funcionários da empresa, que tem sede em Sumaré, participam de um movimento grevista que teve início na madrugada de terça-feira e que engloba também outras viações que realizam o transporte metropolitano na região. A Administração não descarta a aplicação de multa e outras penalidades previstas em contrato.

Diretor de Transportes em Nova Odessa, André Faganello afirmou que a paralisação afetou cerca de 6,5 mil moradores que utilizam o transporte metropolitano e outros 1,9 mil que usam a linha urbana. "Desde que a paralisação teve início estamos em contato com a empresa, acompanhando a situação. Diante da continuidade do movimento, notificamos a Rápido Sumaré para que retome o atendimento", disse.

Na notificação, a Administração cita que não houve comunicação do movimento grevista com antecedência, como determina a legislação. Foi ressaltado ainda que o transporte coletivo é considerado essencial, o que implica manutenção mínima dos serviços. Segundo ele, caso a empresa não cumpra a determinação, serão analisadas penalidades contratuais, entre elas aplicação de multa e até mesmo o rompimento do contrato.

O diretor explicou que como a empresa tem sede em Sumaré e o sindicato da categoria está no local impedindo a saída dos ônibus, houve reflexo do atendimento na cidade. Atualmente, sete ônibus realizam o transporte dos passageiros em Nova Odessa.

VANS - Faganello afirmou também que esteve em contato com responsáveis da EMTU (Empresa Metropolitana de Transporte Urbano) para verificar medidas a serem adotadas. Segundo ele, a empresa informou que disponibilizará vans para o transporte dos passageiros metropolitanos e a Diretoria de Transportes já autorizou a passagem dos veículos por Nova Odessa.

Segundo ele, esta autorização - até que a situação da paralisação seja resolvida - foi necessária porque o Município possui legislação que proíbe os serviços de vans para transporte urbano e intermunicipal. "Estamos acompanhando de perto esta situação e acreditamos que em breve esta situação estará resolvida, com o serviço restabelecido", disse.

 

Fonte: Redação

Comentários

(Os comentários são de responsabilidade do autor, e não correspondem à opinião do SBNotícias).

 

 

Veja também